Parte X: Khenpo Kunga Wangchuk

Parte X: Khenpo Kunga Wangchuk

No Tibete, os shedras monásticos (universidades budistas) mantêm a autenticidade e a herança dos ensinamentos do Buda. Uma dessas universidades é o Instituto Dzongsar, em Derge, Tibet Oriental, fundado pelo mestre Rime Jamyang Khyentse Wangpo em 1871. Ele rapidamente se tornou um importante centro de aprendizado budista e tornou-se famoso por sua excelência escolar sob a supervisão de Jamyang Khyentse Chökyi Lödrö. Ao longo dos anos, o Instituto Dzongsar formou muitos estudiosos e khenpos importantes, contribuindo significativamente para o avivamento dos ensinamentos budistas durante o período. O Instituto Dzongsar no Tibete foi totalmente destruído durante a turbulência política da década de 1960. O ensino e o aprendizado ficaram paralisados por mais de vinte anos.

A seguir, há uma homenagem a Khenpo Kunga Wangchuk, que dedicou sua vida a garantir que o legado do Instituto Dzongsar continue. O Khenpo faleceu em Bir, na Índia, em 26 de maio de 2008.

por Jamyang Dargay

Dzongsar Khenchen Ngawang Kunga Wangchuk nasceu em uma família nômade em 1921, em Kham Dege, no leste do Tibete. Alguns o conheciam como Khenpo Kunga Wangchuk, mas suas inúmeras realizações lhe renderam o título “Rinpoche” ou “Khenpo Rinpoche” entre seus amigos e alunos. Quando Khenpo Rinpoche era uma criança, ele estudava com trabalhadores nômades. Aos 18 anos, ele se juntou ao Monastério de Dhocip (um monastério na linhagem de Sakya) perto de sua casa. Após esse período, tornou-se um asceta desabrigado, abraçando a religião do Buda, e depois estudou filosofia budista no instituto Kham Je Dzongsar, um famoso shedra no Tibete.

Aos 19 anos, Khenpo Rinpoche percebeu muito claramente que não há nada a quem amar ou a se apegar no Samsara; como resultado de tal percepção, ele prometeu praticar o Dharma. Recebeu ensinamentos em muitos Sutras e Tantras profundos de seus lamas de raiz, Jamyang Khyentse Chökyi Lödrö e Dhocip Khen Po Thupten Gyaltsen. Àquela época, não havia eletricidade – então, Rinpoche precisava fazer lâmpadas usando a manteiga de sua refeição para ler seus livros. Às vezes ele estudava até o sol se levantar.

Quando Rinpoche tinha 28 anos, ele se tornou assistente de khenpo e ensinou a filosofia budista a muitos outros discípulos. Aos 30 anos, ele teve a responsabilidade essencial de ensinar os monges de seu próprio monastério como um khenpo no Monastério de Dhocip.

Em 1955, Jamyang Khyentse Chökyi Lödrö foi para Lhasa. Khenpo Rinpoche ficou muito triste em se separar de seu professor. Ele pediu a Jamyang Khyentse Chökyi Lödrö que o deixasse acompanhá-lo, mas foi-lhe dito para ficar no Tibete por causa do Buda, do Dharma e de todos os seres sensíveis. Talvez ele pudesse vir mais tarde. Logo depois, Jamyang Khyentse Chökyi Lödrö viajou através de Utsang, no centro do Tibete, para Sikkim, na Índia. Em 1959, ele passou ao nirvana, e Khenpo Rinpoche nunca mais o viu. Ele permaneceu no monastério como khenpo dirigente. No entanto, devido à política da época, Rinpoche foi colocado na prisão dos 39 aos 61 – 22 anos de castigo por ser um professor espiritual.

Khenpo Rinpoche foi libertado da prisão em 1981, quando tinha 61 anos. Voltou para sua aldeia no Tibete por um ano. Durante este período, recebeu duas cartas da reencarnação de seu lama raiz, Dzongsar Jamyang Khyentse Rinpoche, pedindo-lhe que viesse para a Índia. Khenpo Rinpoche decidiu acolher o pedido, ainda que fisicamente não estivesse bem. Quando ele deixou sua família e aldeões, ele lhes disse que estava indo em uma peregrinação a Lhasa, mas em segredo ele foi para a Índia. Ele teve uma grande aventura, passando por muitos lugares e encontrando muitas línguas diferentes. Chegou com segurança no Sikkim sete meses depois e, mais tarde, teve a grande alegria de conhecer Dzongsar Khyentse Rinpoche.

Em 1983, aos 63 anos, começou a ensinar a Dzongsar Khyentse Rinpoche e a outros sete estudantes no Sikkim. Dois anos depois, o Instituto Dzongsar foi fundado em Bir, na Índia, por Dzongsar Khyentse Rinpoche, que nomeou Khenpo Rinpoche como abade principal. Ano após ano, o Instituto cresceu; eventualmente não havia espaço suficiente para todos os monges e nenhum espaço para extensões. Em 2002, Dzongsar Khyentse Rinpoche e Khenpo Rinpoche discutiram a construção de um novo monastério, o Instituto Dzongsar Khyentse Chökyi Lödrö, em Chauntra. Khenpo Rinpoche foi a Taiwan, onde conseguiu apoio de muitos generosos patrocinadores do Dharma, para a edificação do novo instituto. O antigo Instituto Dzongsar tornou-se Deer Park. O monastério em Chauntra é agora um grande estabelecimento, com um enorme templo no meio cercado pela cozinha, sala de jantar, biblioteca e residência dos altos lamas raiz. Há também mais de 250 quartos para os monges residentes. O instituto está prosperando e é considerado uma das principais instituições do ensino superior budista, semelhante a uma universidade da Ivy League no oeste.

Khenpo Rinpoche viveu com despojamento, sem o conforto que ele forneceu para seus alunos. A vida de Rinpoche teve muitas histórias, e aqui estou falando apenas de uma gota no oceano.

Jamyang Darjay é estudante do Instituto Dzongsar Khyentse Chökyi Lödrö na Índia e estuda inglês no programa de inglês do Instituto, criado pela Fundação Khyentse.

Habilidades

Postado em

outubro 2, 2006

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *