Parte VI: Rei Trisong Deutsen

Parte VI: Rei Trisong Deutsen

Part VI em uma série de discussões com o Rinpoche

O Rei Trisong Deutsen foi o IX Imperador Tibetano a quem foi atribuído o estabelecimento do Budismo no Tibet. Os Budistas Tibetanos o consideram uma manifestação de Manjushri, o bodhisattva que corporifica a sabedoria. Durante sua vida, o Rei Trisong Deutsen fez contribuições monumentais para o estabelecimento e a propagação do Buddhadharma no Tibet. Dzongsar Khyentse Rinpoche conta sobre Sua Santidade Dilgo Khyentse Rinpoche, “Com lágrimas nos olhos, o que era raro, ele disse que se fosse possível encher todos os canyons, desfiladeiros e buracos na terra com ouro da altura do Monte Meru, nem mesmo uma fração da gentileza do Rei Trisong Deutsen poderia ser retribuída”.

Trisong Deutsen foi o segundo dos frequentemente mencionados e muito amados “Três Reis Ancestrais”. O primeiro foi Songtsen Gampo, que viveu entre o VI e o VII século d.C, e é considerado uma manifestação de Avalokiteshvara;

E o terceiro foi Tri Ralpachen, que é visto como uma emanação de Vajrapani. “Por causa desses três reis é que o Budismo está tão profundamente enraizado no Tibet” diz o Rinpoche. “Quando os Tibetanos falam desses três reis, se eles não ficam com lágrimas nos olhos, no mínimo mexem seus pescoços como uma avestruz. Além disso, ele é considerado um dos fundadores da tradição Nyingmapa, junto com Guru Padmasambhava e o Bodhisattva Abade Shantarakshita”.

A mãe de Trisong Deutsen foi Lady Angchung de Mashang, uma região da China, e o pai dele foi o Rei Tibetano Tridey Tsungten. Ele só tinha 13 anos quando o pai dele faleceu e ele foi entronizado. Teve três esposas e começou seu reinado seguindo o caminho do pai dele – mantendo a paz e cuidando das fronteiras. Aos 20 anos seu interesse pelo dharma começou a florescer. O Budismo já estava estabelecido no Tibet, graças ao Rei Songtsen Gampo, o qual duas gerações antes tinha plantado as sementes do dharma ao construir 108 templos, incluindo Lhasa Trulang e Ramochey, mas Bon ainda permanecia muito forte.

Por seu próprio interesse e contra a vontade dos seus ministros, o Rei Trisong Deutsen mandou Jnana Kumara para a India para trazer de volta um renomado mestre da Nalanda University de nome Shantarakshita. O grande Shantarakshita já estava velho e desdentado, mas demonstrou vontade de ir ensinar ao Rei e ajudar a consagrar a terra onde seria erguido o Monastério de Samye. Entretanto ele confessou não dispor mais da energia para domar os Tibetanos. Sugeriu que o rei procurasse o Guru Padmasambhava de Uddiyana.

Mais uma vez agindo contra a vontade dos seus ministros, Trisong Deutsen enviou cinco emissários para encontrar o yogi. Após muitas provações e obstáculos Padmasambhava chegou no Tibet, mas seu primeiro encontro com o Rei não foi harmonioso. Apesar do Rei ter tido o grande mérito de convidar Guru Rinpoche ao Tibet , ele era orgulhoso e esperava que lhe rendesse homenagem. Padmasambhava porém, por ocasião desse primeiro encontro venceu o orgulho do Rei e, no final, foi o Rei que reverenciou Padmasambhava.

Com a riqueza, o poder e a influência do Rei e a grande sabedoria e habilidade de Padmasambhava, os dois, juntamente com Shantarakshita, transformaram o Tibet num reino Budista. O Monastério de Samye foi concluído e o grande tradutor Tibetano Vairochana e outros panditas e tradutores Indianos foram convidados da India para traduzir o dharma para o Tibetano. “Quase todos os sutras que temos até hoje são por causa do patrocínio do Rei Trisong Deutsen”, diz o Rinpoche. “Ele é responsável por institucionalizar o Budismo e pela difusão e o florescimento do dharma”.

Após a volta do Guru Rinpoche e de Shantarakshita para a India, o Rei continuou a receber ensinamentos de Vairochana e de Namkai Nyingpo; foram dados a ele todos os tantras e as sadhanas e, através da prática, ele alcançou a realização. Dizem que, como sinal de conceber seu corpo físico como uma mandala de deidades, ele experienciou viajar por todos os campos búdicos. Graças às iniciações de longevidade de Padmasambhava o Rei viveu até os 69 anos. Ele é hoje venerado como a encarnação do nobre Bodhisattva Manjushri.

Primavera de 2005

Habilidades

Postado em

maio 16, 2005

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *