Parte XIV: Sua Majestade Ashi Phuntsho Choden Wangchuck

“A família real do Butão é conhecida por ter uma forte tradição de patrocínio e apoio ao dharma, especialmente às rainhas. Em particular, suas alunas reais Ashi Wangmo e Ashi Phuntsho Choden, e a atual avó real Ashi Kesang Choden, criaram um legado em todo o Butão. Você não encontrará muitas lâmpadas de manteiga de ouro nos templos do Butão que não foram oferecidas por uma delas. Olhando para trás, minha lembrança desta ótima rainha, Ashi Phuntsho Choden, é algo que eu nunca consigo imaginar recriando. Essa configuração foi tão especial. Eu tinha apenas oito ou nove anos de idade quando passei algum tempo com ela, e nossos encontros ocorreram principalmente na presença de meus dois avós, Sua Santidade o 16º Karmapa, Dilgo Khyentse Rinpoche, Pomda Khen Rinpoche e o anterior Khamtrul Rinpoche – muitas vezes ao mesmo tempo. Minha lembrança infantil dela é de vê-la  comendo fatias muito finas de noz de betel que seus atendentes haviam cortado com cuidado porque, com seus dentes envelhecidos, ela não podia mastigar tudo. Mas ela era tão elegante”.
— Dzongsar Khyentse Rinpoche sobre a Rainha Ashi Phuntsho Choden Wangchuck
 

Ashi Phuntsho Choden (1911-2003) casou-se com o segundo rei do Butão, Jigme Wangchuck, em 1925, quando tinha 15 anos. Este casamento entre primos de segundo grau seguiu a linhagem religiosa da família real de Wangchuck, que traça suas origens até Tertön Pema Lingpa (1450-1521). Ashi Phuntsho Choden era a meia-irmã do avô da nova Rainha Dragão Jetsun Pema, e ela era a bisavó do quinto rei do Butão, Jigme Khesar Namgyel Wangchuck. (O casamento de Jetsun Pema e Jigme Khesar Namgyel Wangchuck ocorreu em outubro de 2011.)

A nobreza do Butão está estreitamente entrelaçada com profecias sagradas, tesouros revelados e as bençãos de Guru Rinpoche. A primeira rainha do país, Ashi Tsendue Lhamo, foi profundamente dedicada ao Budismo e foi a única mulher no distrito de Bumthang, em cujo pulso se encaixou a pulseira de Yeshe Tsogyal. Ashi Phuntsho Choden, a segunda rainha, foi igualmente devota. À medida que o Butão iniciou o ato de promover e preservar sua cultura, enquanto tentava se envolver com o mundo moderno, ela carregava o Buddhadharma para além do Butão, na Índia e no Nepal. Em 1927, quando seu marido, Jigme Wangchuck, tornou-se Druk Gyalpo, o Rei Dragão, assumiu o lugar como uma rainha patronal, responsável por interesses religiosos, reais e sociais.

A educação aristocrática de Ashi Phuntsho Choden ensinou-lhe a administrar o mundo doméstico do Butão de tecelagens e fazendas. Como rainha, ela era gentil, capaz, de mente aberta e generosa, movendo-se graciosamente entre seus mundos de atividade, internos e externos. Quando ela deu à luz o terceiro Druk Gyalpo, o rei Jigme Dorji Wangchuck, em 1928, certificou-se de que ele aprendesse inglês e hindi na primeira infância para prepará-lo para o crescente envolvimento do Butão na diplomacia estrangeira. Após esse nascimento, Ashi Phuntsho Choden não teve mais filhos e centrou sua vida no Budismo e nas questões de estado.

Durante a vida da rainha, Butão e Índia ficaram intimamente conectados. Em 1934, ela viajou com o marido para Calcutá. Todo o inverno, ela participou de corridas, jantares, filmes e competições improvisadas de arco e flecha. Na primavera, ela partiu sem o marido a uma peregrinação no Nepal.

De volta ao Butão, a rainha hospedou diplomatas britânicos com humor e calor. A esposa de um oficial escreveu sobre trocar vestidos com ela: “Eu parecia enorme
demais … Eu então vesti a Alteza no meu vestido, meias, chapéu e sapatos. Ela estava muito satisfeita, embora ela devesse sentir frio, pois minhas roupas eram de tecidos muito mais finos que as dela”.

Outras histórias revelam o mundo em que vivia como mulher, mãe e esposa. Sua nora, Ashi Kesang Choden Wangchuk, escreveu que quando ela [Ashi Kesang Choden] estava grávida em Thimphu em 1954 e esperando que o médico ocidental e sua própria mãe fizessem a difícil jornada para ajudá-la, “meu bebê chegou cedo e Mayuem Phuntsho Choden [a rainha] e sua empregada, com o Dr. Phenchung, fizeram o parto de minha filha.

“Um tributo ao Dr. Albert Craig”

https://www.kuenselonline.com/modules.php?name=News&file=article&sid=16344

Em 1952, enquanto ela estava na Índia, seu marido, o rei Jigme Wangchuck, morreu de um ataque cardíaco. Ashi Kesang Choden escreveu sobre sua morte: “Enquanto em Kalimpong [Índia], em março de 1952, ouvimos que Sua Majestade o segundo rei Jigme Wangchuck havia morrido no Palácio de Kunga Rapten. Sua Majestade [o terceiro] Rei Jigme Dorji Wangchuk [e] Mayuem Phuntsho Choden … [ficaram] muito chocados e aflitos com a notícia … Mayuem Phuntsho Choden e eu viajamos para] ajudar com as cerimônias de cremação real “.

Estes contos do dia-a-dia sobre a vida da rainha são eclipsadas nos registros históricos por longas listas de suas extensas empreitadas budistas. Ao longo de sua vida, ela recebeu ensinamentos, capacitações e transmissões de leitura de lamas de renome nas tradições Drukpa Kagyu, Karma Kagyu, Dudjom, Peling e Nyingthik.

O seu obituário em Kuensel, o jornal de língua inglesa do Butão, observa: “A espiritualidade profundamente enraizada que ela desenvolveu tornou-se uma base
para as responsabilidades que ela assumiu, e Ashi Phuntsho Choden desempenhou um papel importante na manutenção e no fortalecimento da rica herança budista do Butão. Ela construiu um legado de instituições religiosas, estabelecendo centros de aprendizagem espiritual e preservando as ricas imagens que formam um núcleo da história religiosa do Butão”.

Enquanto ainda estava em seus 20 anos, Ashi Phuntsho Choden renovou Kurje Lhakhang, onde Guru Rinpoche deixou uma marca de seu corpo depois de subjugar demônios locais em 746 d.C. Em Kurje, ela também restaurou os murais do Guru Tshengye (Oito Manifestações de Guru Rinpoche). Mais tarde, a rainha encomendou pinturas de Buddha Shakyamuni e estátuas de Jo Jampa (Maitreya), Terton Pema Lingpa, Buda e seu séquito, e Guru Rinpoche.

Em 1972, seu filho, o rei Jigme Dorji Wangchuck, morreu de um ataque cardíaco. Em 1974, ela estabeleceu o Memorial Nacional Chorten em Thimpu em sua memória e para o bem-estar do Butão. (Para saber mais sobre o rei Jigme Dorji Wangchuck, veja o artigo sobre ele na série Reis Patronos. Sua Santidade Dungse Thinley Norbu Rinpoche, o pai de Dzongsar Jamyang Khyentse Rinpoche foi o principal arquiteto do chorten, sob a orientação de seu pai, Sua Santidade Kyabje Dudjom Rinpoche. O chorten é conhecido por suas imagens tântricas.

A rainha encomendou muitos outros chortens e lhakangs (templos), incluindo templos na Índia e no Nepal, e patrocinou a impressão e distribuição de milhares de volumes de textos religiosos e pinturas raras de mandalas em miniatura. Ela iniciou planos para a biblioteca nacional do Butão (estabelecida em 1967) para coletar e conservar documentos vitais de budistas e seculares, e estabeleceu três centros de meditação e shedras (faculdades budistas).

O compromisso da rainha com o Budismo nasceu da grande devoção. Em 1955, acampada perto das margens de um lago, ela sonhou com uma menina adornada com flores e lenços de seda, carregando uma tigela de leite. A menina cantou uma música que começou,

Ofereço essa música para as Três Jóias: o refúgio definitivo,
Não há outro senão você nele confiar.

A música passou a descrever o local onde o Nono Gangteng Tulku seria reencarnado. Depois de ouvir a música em seu sonho, a rainha enviou uma mensagem aos monges de Gangteng de que a encarnação de seu tulku poderia ser encontrada na fonte do rio Mangde Chu no centro do Butão. Mais tarde, o yogi Dzogchen, Polo Khenpo Rinpoche; Sua Santidade Kyabje Dudjom Rinpoche; Jigdrel Yeshe Dorji; e Sua Santidade o Gyalwang Karmapa reconheceram o tulku como a reencarnação incondicional de Gangteng Tulku, a emanação do corpo de Pema Lingpa.

Mais tarde na vida, Ashi Phuntsho Choden passou mais tempo em sua residência de retiro, Dechencholing Palace em Thimpu. Lá, centenas de lâmpadas de manteiga iluminavam a sala do santuário da rainha.

Quando Ashi Phuntsho Choden morreu pacificamente aos 92 anos, em 2003, “dezenas de milhares de pessoas prostraram-se – muitas delas em lágrimas – na estrada nacional, de Thimphu a Bumthang, oferecendo orações, acendendo incensos, segurando flores”. Sua Santidade o Karmapa juntou-se à multidão internacional de dignitários, monges e lamas, atendendo às suas cerimônias funerárias. Em uma carta de condolências a seu neto, Sua Majestade Real Jigme Singye Wangchuck, a Administração tibetana central escreveu que “a vida de Sua Majestade abrangeu uma grande parte da história do Butão moderno”, e que eram pessoas como ela e sua geração de butaneses que contribuíram tanto para fazer do Butão um país estável, pacífico, alfabetizado e no caminho para aumentar a prosperidade. “Este é um legado que as futuras gerações de butaneses precisam apreciar e expandir. Nós nos juntamos a Vossa Majestade e ao povo do Butão em luto pela morte de uma grande alma”.

Habilidades

Postado em

outubro 1, 2012

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *